Blog

A internet é um aliado para aqueles que querem buscar conhecimento, lazer e envolver-se em algo novo que vai agregar algo pessoal. O uso das redes sociais acoplado com os aplicativos é um diferencial para manter o usuário antenado ao uso do aparelho.

Jovens são maioria no consumo de internet no Brasil

Jovens brasileiros são maioria no consumo de internet no BrasilO uso das redes sociais acoplado com os aplicativos é um diferencial para manter o usuário antenado ao uso do aparelho. De acordo com a última pesquisa feita pelo IBOPE, os jovens são os que mais acessam os conteúdos online. O estudo que durou 10 anos (2003 a 2013) aponta que em 2003, o acesso a web por qualquer pessoa, girava em torno de 35% apenas. Mas em 2013 esse número subiu cerca de 85%, destes, 50% ficou com os jovens. É nítido que com o passar dos anos os jovens ficaram mais seletivos com o que consumir. Se voltarmos no tempo, lá no ano de 2003, pode-se perceber que a tecnologia da época não possibilitava dialogar via internet com outros usuários como hoje. Na verdade a moda era ter algum celular que tocava sons polifônicos, mandava SMS “à vontade” e se o aparelho tivesse chip era chique. E só! Não vou tocar no assunto sobre microcomputadores ou notebooks, porque mesmo assim eram caros para se comprar e o “boom” das lan houses nem havia começado.

Mas o que isso tem a ver com a questão dos jovens estarem acessando mais a internet nos aparelhos celulares, computadores, tablets, notebooks e etc? Em 10 anos houveram mudanças cruciais para a humanidade, nos campos da tecnologia, medicina, política, moda, e entre outros. O que a Geração Y lutou para ter nos 90, a Geração Z “nasceu” tendo. Mas isso não quer dizer que o jovem que nasceu nos anos 90 tenha ficado para trás. Pelo contrário, ele pôde acompanhar diversos lançamentos de celulares, computadores, videogames e lembrar que naquele período sonhava-se que um dia o contato via webcam séria algo comum – não que ele soubesse que o objeto teria esse nome ou função, mas ele imaginava que visualizar o outro na tela do microcomputador seria possível num futuro distante. E aconteceu -, tão comum que hoje a demanda para este tipo de acessório está em baixa. Quando você tem um aparelho celular que faz essa função melhor do que outro sistema arcaico, a tendência é substituir o velho pelo novo.

Graças aos smartphones e tablets o que era distante ficou próximo. A curiosidade ficou mais aguçada, o contato com próximo ficou interessante – não que o contato corporal não seja ou era; continua o mesmo -, mas eu me refiro à aquelas pessoas que estão numa distância maior e o contato físico é complicado; essa uma das funções que agregam seguidores nas redes sociais.

O jovem atual está por dentro da política se ele não vai até ela, ela vai até ele. Nas últimas eleições para presidente viu-se muitos vídeos de candidatos via WhatsApp. Sem falar nos grupos sobre futebol, moda, maquiagem ou qualquer tema pertinente ao interesse do mesmo.

O uso das redes sociais acoplado com os aplicativos é um diferencial para manter o usuário antenado ao uso do aparelho. Podemos observar que os adolescentes utilizam na internet, propriamente falando, as redes sociais para entretenimento, compartilhar conteúdo e até mesmo para empreender.

A internet é um aliado para aqueles que querem buscar conhecimento, lazer e envolver-se em algo novo que vai agregar algo pessoal. “Hoje toda a informação encontra-se ao alcance de um clique, não existe mais limites e nem barreiras para o conhecimento, o que é necessário é vontade de buscar o que deseja, independente da área que você atue”, explica Xerxes Marques, 30, CEO e fundador da agência NAMP!

 

Leonardo Melo

Leonardo Melo

Jornalista, esportista, consumista de livros e de qualquer tipo de informação, sou fissurado no Cruzeiro Esporte Clube (100% arquibancada), fã de games e animes antigos. Amo o Rock e ele não está morto. Fiel e temente a Deus. Sou o assessor de imprensa da agência NAMP, amo a comunicação e escrever para mim é paixão, é arte